Rossini: “Todo artesão é um artista, todo artista é um artesão”.

| Por Léslie Bernicker*|

A arte utilizada para representar e expressar diferente culturas e momentos histórico há muito tempo. Para cada pessoa vai haver um entendimento do que é ou não arte, mas o que todas têm em comum é o artista, que através dela expressa o tempo em que vive, a sua história e de seu povo, seu modo de perceber as coisas, e como imagina o futuro. Utilizando de tinta, argila, metal, tecido ou gesso, o artista escolhe sua ferramenta e cria uma obra.


Rossini Rodrigues é um desses artistas. Nascido em São Borja, em 1966, molda no barro índias, animais e cenas do cotidiano gaúcho. Sua aptidão para criar coisas surgiu na infância, o artista autodidata lembra que aos 6 anos já modelava barro e madeira para criar seus brinquedos. Na adolescência tornou-se pescador para ajudar na renda da família, mas sempre aperfeiçoando a criação de esculturas.


Foi o arquiteto Gerson Vigna que viu nas esculturas do jovem uma fonte de renda, oferecendo pagar um salário para que ele se dedicasse a escultura, enquanto o arquiteto vendia suas obras. E assim, cada vez mais aprimorando sua técnica.

As esculturas de Rossini espelham a sua infância como ribeirinho, da lavadeira que tirava seu sustento nas águas do Rio Uruguai, a chibeira, que eram aquelas pessoas que traziam produtos de São Tomé (AR) para São Borja, e o cotidiano do gaúcho em cidade do interior.


Rossini já esteve entre os dez primeiros colocados para representar o Brasil no Prêmio Unesco de Artesanato Popular, honra da qual o artista se orgulha. Suas obras já foram premiadas em Salões do Brasil e Argentina, e já foram adquiridas por pessoas de diferentes países. Duas das principais características pelo qual o artista é conhecido pelo Brasil a fora, são suas índias e cenas do cotidiano, como o “Bolicho Gaúcho”.

* Léslie Bernicker é jornalista, natural de Uruguaiana/RS, formada pela Universidade Federal do Pampa – Campus São Borja. Cursa Artes Visuais e é pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual.

26 visualizações
  • Ícone do Facebook Cinza

© 2020 por  REVISTA SÃO BORJA